Português>>Opinião

China comprometida com a precisão na erradicação à pobreza

Fonte: Diário do Povo Online    16.03.2016 13h57

Por Liu Xinhua, Pang Geping, Kong Xiangwu, Zhang Mengxu

Funcionários públicos de Guigang, na região de Guangxi, orientam as mulheres locais com dificuldades econômicas para as práticas agrícolas. (Foto: Diário do Povo Online)

 

A Região Autônoma de Etnia Zhuang de Guangxi, no sudoeste da China, com uma população de 55 milhões de habitantes, contava até ao final de 2014 com 5,38 milhões de pobres. Os jornalistas do Diário do Povo entrevistaram recentemente a liderança da região para perceber os esforços locais em curso para combater a pobreza.

Para apurar a quantia exata da população a viver em condições de pobreza, as autoridades de Guangxi criaram um formulário de avaliação que abrange 98 itens, incluindo imóveis, eletrodomésticos, maquinaria agrícola, viaturas, acesso à água potável, eletricidade, estradas, saúde, leitura, força laboral, trabalho migrante, terra cultivada, entre outros. Os funcionários deverão proceder ao inquérito casa a casa e calcular uma nota qualitativa da situação dos habitantes de acordo com os resultados obtidos.

Após a publicação das listas das pessoas mais carenciadas da aldeia Lixing, alguns aldeões reclamaram aos funcionários locais pela via telefônica: Como pode a família de Huang Yulan, que vive com extremas dificuldades, obter 70 pontos na avaliação (70 pontos é um resultado considerado alto)?

A questão se encontra no seu imóvel: Huang Yulan mora numa casa de betão, que é considerado um material pertencente a habitações de classe elevada. Com base neste padrão, Huang obteve uma nota extra de 18 pontos. Na verdade, Huang pediu há 4 anos uma restauração da sua casa velha, mas, por dificuldades econômicas, não conseguiu demoli-la. Tendo tomado conhecimento dessa situação, os funcionários informaram o governo superior e foram autorizados a cortar os 18 pontos extra, reatribuindo o estatuto de pobreza à família de Huang.

O prefeito de Baise, onde se situa a aldeia Lixing, Zhou Yijue, também deputado da APN, disse que, desde outubro de 2015, a prefeitura mobilizou 13 mil funcionários a fazerem sondagem nas zonas rurais de modo a identificar com precisão a pobreza existente entre 503 mil famílias de agricultores. A prefeitura pretende que todas as aldeias pobres espalhadas pelos seus 12 distritos saiam da pobreza até 2019, para garantir que nessas aldeias seja estabelecida uma sociedade modestamente confortável, juntamente com a tendência do resto do país.

Segundo o 13º Plano Quinquenal (2016-2020), a China deverá erradicar até 2020 a pobreza que afeta ainda parte da população do país conforme o critério nacional. O caso da aldeia Lixing é um dos vários exemplos da luta contra a pobreza na China.

Na Cúpula de Desenvolvimento Sustentável da ONU realizada em setembro de 2015, o presidente chinês anunciou à comunidade internacional que a China concretizou o “Objetivo de Desenvolvimento do Milênio”, ou seja, reduzir em 439 milhões o número da população a viver na pobreza, assim como a obtenção de êxitos notáveis na educação, saúde e nos direitos da mulher.